Saturday, March 28, 2020

Four framed pochades from the UDESC Exhibition

*



Forest, Praia Mocambique, December 2019 FRAMED






Trindade, cyclist, oil on card 23.5 x 19.5 cm  FRAMED 






Looking down on Rio Vermelho, oil on card, 21.5 x 24 cm  FRAMED






FRua Nilo Mussi, Trindade, oil on card, 21.3 x 21.5 cm   FRAMED





Four framed pochades from the  UDESC show, currently running but inaccessible due to Coronavirus protections






*





Friday, March 27, 2020

Chivay, Peru, a gorge - framed

*


Chivay, a gorge, framed SOLD




This sort of float mount is excellent- the frame is elegant and the picture isn't cramped, and it is protected from dust or knocks.


Thanks to Jo Eade for sending me this photo.


*

Window

*

Window, oil on card, 14 x 15 cm



*

Friday, March 20, 2020

Paper flower

*



Paper flower, oil on card, 12.5 x 15.3 cm





*

Monday, March 16, 2020

Trindade, block

*



Trindade, block opposite, oil on card, 13.5 x 15.7 cm





*

Friday, March 13, 2020

A bowl of fruit on a small bookcase

*


A bowl of fruit on a small bookcase
 oil on card, 14.8 x 16 cm







*

Sunday, March 8, 2020

UDESC Paisagens Catarinenses - texto- Versão em português

*

UDESC  Paisagens Catarinenses - texto- Versão em português


Eu sou do Reino Unido, especificamente da Escócia, embora eu não tenha nascido lá. Eu nasci na Zâmbia entre leões, tigres e crocodilos. Meus pais nasceram na Polônia e Dinamarca. Origem étnica é irrelevante para o desenvolvimento do estilo artístico, porém menciono esses detalhes o porquanto acharem curioso e/ouinteressante.

Eu estudei Belas Artes na Universidade de Edimburgo em um curso tradicionalmente estruturado em desenho anatõmicos, anatomia e assim por diante: sem aquela arte conceitual sem sentido ou vídeos confusos em loop de pessoas se mutilando como muitos imaginam... Muito obrigada. Eu também passei/estudei alguns meses na escola de belas artes de Varsovia, na Polônia Comunista quando eu estava sob a lei marcial. Eu comecei a pintura de paisagens no curso de Belas Artes.

Eu vim para o Brasil por conta da minha ex-mulher e fiquei por que era bom para mim e eu não gosto de mudar de casa, além disso, o clima na Escócia me deixa depressivo. 

Esse país é uma bagunça mas se você puder reduzir o contato de onde se gera a irritação  como grandes instituições incompetentes e negociantes vergonhosos ao mínimo e evitar ser assaltado, baleado, ouvir funk, etc, você pode ter uma vida satisfatória o suficiente.

Eu trabalho ao ar livre, usualmente na natureza mas raramente eu trabalho na rua pois há muitas pinturas urbanas aqui. O ambiente urbano no Brasil é particular por conta do seu desarranjo visual e frequente feiúra extrema. Isto se manifesta por si nos espaços organizacionais em geral tais como relações desarmoniosas entre prédios, baixa qualidade de design, estruturas individuais, baixos níveis de manutenção e construção, grafites e uma falta de elementos verdes para reduzir o impacto de tanta brutalidade humana. De uma certa distância, essa anarquia pode ser um tanto excitante mas se próxima, a impressão é sempre intimidadora e triste. Em quarteirões pobres entretanto a vida é frequentemente vivida publicamente e pode ser simultaneamente triste,interessante, alegre e divertido. Em relação a isso,  trabalhando em Trindade, quando pude subir a rua Nilo Musse, de onde eu pintei uma bela Schieleshi e me senti bem produzindo neste local.  Além disso eu comecei a chamar a atenção, ciente de que eu estava entrando em uma área em que as leis tinham sido suspensas e eu não me hesitei pois nunca fui vítima de algum crime nas ruas do Brasil: "Fear is a man's best friend", como John Cale canta. 

Pintar nas ruas é irritante tanto quanto as pessoas insistindo em falar com você e o fato de estar em público afeta negativamente meus processos criativos de pensamento. Como muitos pintores de paisagens, sou meio misantrópico mas eu acho que é verdade por si mesmo que a solitude é necessária para a criatividade, o qual é parte do  apelo da paisagem.

Para pintura de paisagens, Santa Catarina  é boa, tendo uma vasta variedade de ambientes próximos e clima agradável. A falta de variação sazonal é uma desvantagem entretanto, devido a alta posição do Sol a qual direciona para uma bonita e agradável surpreendente.

 Outra dificuldade, especialmente comparada com o Reino Unido, é a relativa impenetrabilidade da paisagem. No Reino Unido especificamente, a Escócia tem lugares de acesso público por direito para os estados interiorianos  que faz muitas vezes do interior. Além do mais há parques nacionais, os quais são gratuitos e organizados.

Há parques nacionais em Santa Catarina também mas você já tentou andar em algum deles? Além mais, a estrutura da paisagem no Reino Unido é altamente mediada ambas por agricultura e recreação ( geralmente caça) e propósitos estéticos onde a paisagem se  dá para dar cobertura a diversidade da vida selvagem e oferecer amplas perspectivas.

Em contraste, o paisagista, aqui, é frequentemente restrito as vistas de estrada ou ao longo das praias. Se você puder entrar na locação a vista é  mesmo comum daquela de floresta muito densa e isso não é propício para arte. Eu trabalho muito em Santo Antônio,  provavelmente invadindo, onde eu tenho que rastejar sob uma cerca para ter a vista que eu quero, qualquer hora dessas serei baleado por um proprietário ou despedaçado até a morte por cachorros de rua.

As pinturas são feitas usando tinta a óleo em pequenos suportes de papelão os quais eu carrego em pequenas pastas feitas de papelão também. O formato é prático e favorece mais expressões familiares .
Quando você mostra pequenas pinturas as pessoas frequente dizem: " Ah, mas porque você não pinta maiores?", o qual, é quase como dizer ao compositor de músicas pop de dois minutos "porque você não compõe óperas?" - como se o tamanho de uma obra de arte tivesse relação com o seu significado. Mas é claro, diminuição e pequenez são por eles mesmos declarativos, os quais dizem alguma coisa sobre como o artista controla um ambiente diminuindo-o e para que o público não seja pressionado por grandiosidades. E tamanho diz algo sobre trabalho e  tempo necessários para fazer a apreciação de alguma coisa.

Mais além, concisão é uma virtude essencial na arte: vejamos a orientação do século 18 com sua elegância, praças humanistas (não o século 19 com sua tendência direcionada a pomposidade). Alguns trabalhos de arte em larga escala justificam seus tamanhos pelos seus conteúdos e a arte carregada tem associação com o totalitarismo e a verbossidade porém ambos são desprezíveis.

Com isso em mente, as pinturas se aproximam das escolas líricas de pinturas de paisagens tais como Bonnard, Sisely ou Whistler do que das escolas épicas. As pinturas também tem alguma coisa a ver com as viagens, descobrimentos, impressões e ligam o pintor/ viajante/artista como Turner ou Lear.

A exibição é composta por seleção de paisagens catarinenses principalmente de Florianópolis e pinturas dos últimos quatro anos. Algumas delas foram exibidas antes porém há cinco pinturas aqui que não foram vistas antes.  Estas incluem uma peça da floresta, outra do Parque Florestal próximo a praia de Moçambique, duas pinturas urbanas de Trindade, um pintura do Jardim Botânico de uma única árvore e ampla paisagem de Santo Antônio da Lisboa;

Emoldurei as pinturas de maneira simples  embora eu não veja muito entusiasmo em molduras: elas dão ênfase a certos aspectos em uma pintura e contém pinturas/ cores, impedindo-as de respirar, uma noção que é realmente impossível de transmitir em palavras mas somente quando experienciadas.

Na última exibição em Edimburgo, mostra que as pinturas foram expostas sem molduras mas a galeria era bem pequena e constantemente sem necessidade de segurança. Então aqui vão algumas emolduradas para proteger as pinturas.

Tradução de Ana Vaz

*